OSTEOARTRITE EM PACIENTES IDOSOS E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

Posted on

Instruir o paciente sobre a necessidade de tomar os medicamentos prescritos de maneira regular, porque as interrupções no tratamento podem precipitar crises agudas ou causar cronicidade da doença.

Blog estudante de enfermagem, acessado em:20/06/2010, disponível em: http://3nf3rmag3m.blogs.sapo.pt/4735.html Artrite Gotosa, um Relato de Caso, acessado em 20/06/2010, disponível em: Postado por: Zuleika Damasceno. Conceito A artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia enfermagem médico-cirúrgica 9ª edição volume 2 Alunas: Gabriely Morais e Laryssa Matos ; ; . | BDENF - enfermagem (Brasil) Artrite Reumatóide (AR) A artrite reumatóide é uma doença inflamatória sistêmica que se caracteriza pela maneira com que compromete as articulações, destruição das articulações, ou, mais especificamente, do revestimento articular. Em 20% dos pacientes a doença inicia-se afetando menos de 4 articulações,preferencialmente as articulações como joelhos, tornozelos ou cotovelos e mais raramente (10%) pode se iniciar como poliartrite aguda. Este anticorpo é mais específico do que o fator reumatóide na AR e pode ser mais sensível na doença erosiva. Adolescente; Artrite Reumatoide Juvenil; Enfermagem Priscila Torres estava acostumada a lidar com a dor dos outros. Auxiliar de enfermagem de três hospitais, ela passava os dias cuidando de pessoas em estado grave.

Cuidados e restrições no tratamento da Artrite Reumatoide Juvenil

  • Repouso;
  • Fisioterapia;
  • Exercícios físicos passivos e ativos;
  • Massagens;
  • Psicoterapia;
  • Cirurgia;

De profissional da área da saúde, virou paciente.

Não à toa, estudos indicam que a qualidade de vida de pessoas com artrite reumatoide é inferior à da população em geral, mesmo nos estágios mais precoces da enfermidade. À época do diagnóstico, ela tinha uma rotina intensa: trabalhava, cursava faculdade de enfermagem e cuidava do filho Tiago, que tinha 4 anos. Fiquei muito depressiva, olhava para o meu filho e imaginava que, dali a 10 anos, ele estaria me empurrando em uma cadeira de rodas”, recorda a auxiliar de enfermagem. Passada quase uma década desde o diagnóstico da artrite reumatoide, a auxiliar de enfermagem Priscila Torres diz que, “se soubesse como seria de verdade, teria chorado menos”. Sua experiência é compartilhada com outros pacientes no blog AR (www.artritereumatoide.blog.br) e no grupo EncontrAR, que oferece apoio aos pacientes de artrite reumatoide. Juliana foi diagnosticada aos 10 anos com artrite idiopática juvenil (AIJ) poliarticular, quando mais de quatro articulações são afetadas. O metotrexato, medicamento modificador da evolução da doença mais utilizado pelos pacientes, provoca efeitos colaterais fortes em Juliana, que eventualmente recorre ao corticoide para diminuir as dores. Assunto pouco abordado pelos médicos, a artrite reumatoide também pode ter um impacto negativo na vida sexual dos pacientes. O resultado dessa pesquisa está no artigo “Como o reumatologista pode orientar o paciente com artrite reumatoide sobre função sexual”, publicado na Revista Brasileira de Reumatologia.

ALGUNS CUIDADOS ESPECIAIS COM O PACIENTE IDOSO

  • Entesite
  • Tenossinovite
  • Peritendinite
  • Tendinite Ossificante

Os princípios do tratamento são: Cuidados que o paciente deve ter com a coluna: Realizar Fisioterapia: Quais são os objetivos da fisioterapia?

Provavelmente, em algum momento, o paciente receberá tratamento de algum fisioterapeuta. O paciente deve ir a um departamento de fisioterapia durante uma ou duas sessões para aprender os exercícios. A compreensão da patologia é fundamental para a realização de uma terapêutica direcionada e efetiva, visando sempre a melhora das condições de saúde do paciente. Associados a isso são fundamentais os cuidados por parte da equipe de enfermagem que deve sempre está atento as necessidades do paciente. Palavra-chave: Osteoartrite, envelhecimento, cuidados de enfermagem. Além dos aspectos educacionais e envolvimento dos pacientes no seu tratamento, a reabilitação deve incluir exercícios adequados com o sem uso de carga. Deve-se no entanto verificar se o paciente não apresenta hepatopatia, quando estão o paracetamol não poderá ser utilizado (FREITAS et al, 2006). Os idosos correm mais riscos de desenvolver complicação que os pacientes mais jovens, mas a maioria apresenta desfecho favorável e alivio significativo da dor (KAUFFMAN, 2001). Diagnóstico e intervenções de enfermagem Diagnostico de Enfermagem Intervenções de Enfermagem 1.

OSTEOARTRITE EM PACIENTES IDOSOS E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

  • Salicilatos e derivados;
  • Pirazolomas e derivados;
  • Indometacina;
  • Corticosteróides;
  • Miorrelaxantes
  1. aliviando a dor: Orientar o paciente a tomar os AINEs prescritos ou os analgésicos de venda livre, conforme orientado, visando aliviar a inflamação e/ou dor.

Orientar o paciente para evitar as atividades que precipitam a dor. Déficits de cuidados pessoais (alimentação, banho/higiene, vestir/ arrumar-se, uso de vaso sanitário) ligados à dor e ao movimento articular limitado. NETINA (2003) Diagnóstico de enfermagem Intervenção de enfermagem Ansiedade relacionada a limitação dos movimentos. 2.Orientar o paciente a procurar uma posição confortável que proporcione melhorar no sono. Diagnóstico de Enfermagem da NANDA (2005-2006). Diagnóstico de enfermagem da NANDA: Definições e classificações, 2005-2006 Tradução: Cristina Correia - Porto Alegre: Artmed, 2006 KAUFFMAN, T. L. Manual de Reabilitação Geriátrica. NETINA, Sandra M. Prática de enfermagem. Estudo sobre o acesso ao tratamento alerta: Artrite reumatoide necessita de maior atenção nos cuidados de saúde primários. 3.Instruir o paciente sobre a necessidade de tomar os medicamentos prescritos de maneira regular, porque as interrupções no tratamento podem precipitar crises agudas.

Cuidados desenvolvidos pela enfermagem na artrite reumatóide Cuidados desenvolvidos pela enfermagem na artrite reumatóide O QUE É?

Artrite reumatóide (AR) é uma doença crônica de causa desconhecida. Após uma noite de sono, os pacientes amanhecem com importante dificuldade em movimentar as articulações, a qual permanece por mais de 1 hora. Alguns pacientes queixam-se de mal-estar, fadiga e dor muscular que podem acompanhar ou anteceder a artrite. Alguns pacientes com Artrite Reumatóide (AR) típica contam que durante meses ou anos tiveram surtos passageiros de artrite em várias ou poucas articulações, antes da doença tornar-se crônica. Nesses casos, se o paciente melhora sua força com exercícios, os medicamentos não seriam a causa. A associação de Artrite Reumatóide (AR) com aumento do volume do baço, anemia, queda de glóbulos brancos e outras manifestações da doença chama-se síndrome de Felty. Os pacientes com Artrite Reumatóide grave podem apresentar áreas extensas de vasculite cutânea provocando úlceras de difícil controle. O reumatismo das partes moles ou extra articular, como a tendinite e bursite, requerem observação e cuidados de enfermagem, pois muitas vezes são confundidos com a artrite. Classificações da Tendinite Existem 4 subtipos de tendinite classificados: Ações do Profissional de Enfermagem O tratamento das tendinites e bursites visa diminuir ou até inibir a dor do paciente.

Cabe ao profissional de enfermagem incentivar o paciente a realizar exercícios específicos e apropriados de reabilitação, já que esse hábito pode proporcionar condicionamento muscular, evitando o surgimento de dores.

Com a orientação do médico reumatologista e do fisioterapeuta, o profissional de enfermagem pode aplicar técnicas de força e resistência na reabilitação do paciente. Outras terapêuticas e cuidados também podem ser aplicados, e é de responsabilidade da equipe de enfermagem identificar cada caso e cuidar da melhor forma do paciente. No Brasil, contudo, é comum que apenas os médicos o façam, por falta de capacitação dos profissionais de enfermagem. Assim, trouxemos esse treinamento para que os enfermeiros, que estão com o paciente todo o tempo, atuem diretamente em seu diagnóstico e acompanhamento”. Em sua palestra, Bertolo falou sobre o atual protocolo de tratamento da artrite reumatoide. Segundo ele, essa é uma área que demanda atualização constante dos profissionais de enfermagem. O Dr. Manoel Bertolo deu uma aula muito boa sobre tratamento da artrite reumatoide e também gostei da aula sobre sistematização da assistência em enfermagem”, comentou. A teoria de Adaptação mostrou-se eficaz para aplicação do processo de enfermagem, revelando-se útil na identificação dos problemas de adaptação no âmbito biopsicossocial. A utilização da CIPE® 2.0 também foi possível, permitindo especificar os diagnósticos de enfermagem na reabilitação de pessoas com AR.

A reumatologia é uma especialidade diferenciada nos cuidados das doenças reumáticas, especialmente em patologias menos frequentes.

Centro Hospitalar Leiria – Notícias Aline Rodrigues de Abreu Miranda, Carla Silva Araújo, Fabiana Santana Faleiros-Castro A artrite reumatóide é uma doença potencialmente incapacitante que traz repercussões biopsicossociais. Este estudo foi desenvolvido em um hospital de reabilitação com objetivo elaborar e validar um instrumento de coleta de dados para pacientes adultos com artrite reumatóide. Este estudo demonstrou que o instrumento validado é adequado para a sistematização da assistência de enfermagem na reabilitação de pacientes comartrite reumatóide. Os pacientes com artrite reumatoide devem ter um cuidado especial com seus pés, em virtude das possíveis alterações e deformidades causadas pela doença. Pés bem cuidados, mais conforto e bem estar! Cabelos normais, limpos e quebradiços, calvície presente.Sinais vitaisExame físicoAvaliação respiratória Tórax plano, expansibilidade torácica e frêmitos toracovocais não avaliados, pois a paciente estava acamada; ausência de tosse. Fatores de risco presentes na paciente. Fundamentos de Enfermagem: a arte e a ciência do cuidado de enfermagem. A comunicação nos diferentes contextos de enfermagem. Injúria Renal Aguda no paciente Crítico. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: Definições e Classificação –2012 –.