Persistência do tratamento em pacientes com artrite reumatoide e espondilite anquilosante

Posted on

Doentes com artrite reumatoide são muitas vezes deficitários em vitamina D e devem tomar um suplemento dessa vitamina.

Assim, nós investigámos as respostas à forma ativa da vitamina D nas células imunes das articulações inflamadas em doentes com artrite reumatoide. O facto de isso não acontecer tem implicações importantes sobre a forma como pensamos a vitamina D no tratamento da inflamação”. Um quarto estudo sobre a vitamina D revelou que níveis reduzidos da vitamina no organismo estão associados com um risco maior de câncer. Após a suplementação, apenas 29% dos pacientes atingiram níveis de vitamina D maior do que o nível clinicamente considerado “suficiente” em indivíduos saudáveis. Ramón Mazzucchelli, pesquisador do Hospital Universitário de Madri, reuniu dados de mais de 3.000 pacientes com níveis reduzidos de vitamina D no organismo. Dentre os seus achados, Mazzucchelli descobriu que a vitamina D também está associada com um risco maior de câncer e de mortalidade de pacientes, independentemente da sua idade e sexo. Por atacar o próprio sistema imunológico, a sensibilidade do organismo à vitamina D, que possui efeitos anti-inflamatórios, pode cair. PrevençãoCom base nos resultados, os cientistas concluíram que manter os níveis de vitamina D saudáveis pode ajudar a prevenir a artrite reumatoide, assim como outras doenças inflamatórias. No entanto, para quem já sofre da doença, é improvável que somente a suplementação ofereça algum benefício, pois as células imunes já não são mais sensíveis à vitamina.

F - volumes pulmonares NORMAIS”POC Possui Opacidades Caracteristicas que Pousao Onde Calha”Ps: na TC-AR a generalidade das alteraçoes ocorre mais frequentemente na PERIFERIA do pulmao e zona pulmonar INFERIOR

No entanto, esses estudos usaram somente células imunes isoladas do sangue e, portanto, o impacto da vitamina D nas células imune no sitio ativo da doença não está claro.

Doses bem maiores de vitamina D podem ser necessárias, ou possivelmente um novo tratamento que contorne ou corrija a insensibilidade da vitamina D das células imunes das articulações. “Praticamente 95% dos pacientes que chegam com doenças autoimunes apresentam baixos níveis de vitamina D no sangue. Logo em seguida, soube de uma amiga que realizava o tratamento da vitamina D e marcou uma consulta. Recentemente, pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, reforçaram um elo que já vem sendo investigado: o de que a vitamina D pode prevenir a artrite reumatoide. Inclusive, pacientes com esse tipo de artrite costumam apresentar deficiência de vitamina D e, com frequência, precisam suplementá-la. O tratamento em questão é a base de Vitamina D. Isso mesmo! Apresentaremos depoimentos de pacientes que já fazem uso do tratamento com a Vitamina D, seu tempo de uso e o que melhorou em suas vidas. Além de vários artigos científicos que comprovam ou refutam o uso da Vitamina D3 como tratamento para diversas doenças debilitantes. Evidência de que a doença autoimune pode ser uma doença por carência ou falta de vitamina D vem de muitos estudos.

Quem possui maior risco de desenvolver complicações ou formas graves da doença:

A radiação solar (raios ultravioletas) e vitamina D têm sido mostrados em inibir a indução de um número de doenças autoimunes em modelos animais (8, 9).

A Vitamina D reduz os sintomas das doenças autoimunes via supressão do sistema imunológico. As doses de vitamina D devem ser acertadas individualmente considerando diversos fatores e, portanto, o tratamento deve ser realizado necessariamente sob supervisão médica. Com base nos resultados, os cientistas concluíram que manter os níveis de vitamina D saudáveis pode ajudar a prevenir a artrite reumatoide, assim como outras doenças inflamatórias. Existem pesquisas sobre os efeitos da vitamina D no sistema imunológico há mais de quatro décadas. Nos últimos cinco anos conseguimos desenvolver uma técnica capaz de identificar a dose de vitamina D necessária para deixar cada paciente livre da atividade da doença. A diferença entre a vitamina D e as drogas convencionais usadas no tratamento das doenças autoimunitárias é que ela é um imunorregulador, não um imunossupressor. A grande maioria dos médicos foi ensinada a tratar as doenças autoimunitárias com imunossupressores e muitos nem sabem que a vitamina D é um hormônio. Como a vitamina D é muito barata e ela corresponde a 95% do tratamento, o custo mensal varia de 30 a 80 reais, dependendo da dose diária administrada. Além disso, enquanto a vitamina D elimina 100% da atividade da doença em quase todos os casos, as outras drogas bloqueiam no máximo 30%, segundo a própria indústria farmacêutica.

Indicações e Propriedades (*fontes abaixo): - Tratamento artrite - Tratamento artrose - Tratamento reumatismo - Antinflamatório - Cicatrizante - Analgésica

O uso de altas doses de vitamina D pode causar sérios riscos à saúde se você não está sendo acompanhado laboratorialmente e clinicamente por um médico habilitado.

Rádio CBN Entrevista com Cícero  Galli Coimbra, sobre doenças autoimunes e vitamina D, para a Rádio CBN em 14 de outubro de 2012. A vitamina D deixa seu sistema imunológico mais inteligente Entrevista com John J. Cannell, diretor executivo do Vitamin D Council, sobre os efeitos da vitamina D no sistema imunológico. Para mais informações (contatos médicos, depoimentos e outras), visite também os sites: * NÃO FAÇA AUTOMEDICAÇÃO – O tratamento com VITAMINA D em doses elevadas requer acompanhamento médico especializado. Mais engraçado…assim como as baixas doses, as altas doses de Vitamina D poderão estar associadas ao envelhecimento prematuro (estudo de baixa qualidade). Devido a esta correlação entre as doenças crónicas e níveis baixos de vitamina D, a sua suplementação tem sido extensamente estudada em várias doenças. Os autores observam que a MK-7 é significativamente menos tóxica do que as drogas antirreumáticas e possui a vantagem adicional de proteger contra a osteoporose. A deficiência de vitamina D e a artrite reumatoide são conhecidos fatores de risco para as doenças cardiovasculares. Os pesquisadores descobriram que 41% dos pacientes com artrite reumatoide estudados estavam significativamente deficiente em vitamina D, com outros 46 por cento tendo níveis insuficientes da vitamina. Níveis mais altos de inflamação sugerem que os baixos níveis de vitamina D podem realmente piorar os sintomas da artrite reumatoide. Ao diminuir a inflamação e protegendo o coração, a suplementação de vitamina D estende significativamente a expectativa de vida de pacientes com artrite reumatoide. Aumentando a absorção de cálcio no organismo, níveis mais elevados de vitamina D também podem proteger contra esse efeito. Indo um pouco mais a fundo, encontrei uma reportagem a respeito de um tratamento alternativo, feito apenas com vitamina D, que aparentava estar dando muito certo para algumas pessoas. Enquanto o intérferon, medicamento padrão no tratamento da  esclerose múltipla, pode custar centenas de milhares de reais, a minha dose mensal de vitamina custa vinte e cinco. Porém, é importante sempre ter em mente que a principal fonte de vitamina D é a sua produção pelo próprio organismo através da exposição da pele ao sol diariamente. Esse cuidado é necessário porque a vitamina D aumenta a absorção de cálcio no intestino, e por isso a dieta deve ser pobre em cálcio durante o tratamento.